INÍCIO
QUEM SOMOS
PERGUNTAS FREQUENTES
CURSOS
TESTEMUNHOS
CONTACTOS
O QUE É A BANDA GÁSTRICA VIRTUAL?
Existe uma infinidade de tratamentos para baixar de peso e a maioria deles funciona.

No entanto, os gordos voltam a engordar uma e outra vez: porquê?

Porque, praticamente todos alcançam o seu objectivo em formas distintas de PROIBIÇÃO e essa proibição gera DESEJO, que se vai acumulando ainda mais rapidamente que os quilos baixados, provocando uma explosão final incontrolável, e porque a natureza gravou no cérebro de quase todos os mamíferos um programa de recuperação da massa corporal no final de cada seca ou período de fome.

A Banda Gástrica Virtual ? é um tratamento psicológico da obesidade que faz uso de todos os recursos de HIPNOSE e da REPPROGRAMAÇÃO SUBLIMINAL, operando precisamente sobre o outro extremo do problema, o desejo. E não só diminui o desejo de comer mas também implanta no inconsciente novas pautas de conduta perante a comida.
Como utiliza gravações de INDUÇÃO DE SONO, também melhora ou cura as alterações de descanso, conseguindo que muitos pacientes abandonem toda a medicação com esse fim e diminui, a partir de um bom descanso, a ansiedade que nos obesos se traduz em FOME.

Não é incompatível com outros tratamentos nem com os recursos cirúrgicos: pelo contrário facilita o seu êxito.

Em suma: trata-se de um enfoque psicológico do problema, com a utilização dos recursos da hipnose e da reprogramação subliminal propenso a obter a baixa de peso, não a partir da proibição externa, mas da diminuição do desejo, o que evita o ciclo de recuperação de peso comum a todos os outros tratamentos.

COMO SURGIU ESTE MÉTODO?
O método foi desenvolvido por um psicólogo argentino, que trabalha com hipnose e com problemas de obesidade, nascido numa família de obesos que, para baixar o seu peso, usou técnicas de autohipnose e programação subliminar em si mesmo para emagrecer.

À medida que percebeu os resultados foi aplicando a outras pessoas, e a partir daí desenvolveu um método de emagrecimento que lhe chamou B.G.V. (Banda Gástrica Virtual), que hoje é aplicado em vários países da Europa e América Latina, com ótimos resultados.

OBESIDADE: UM PROBLEMA MUNDIAL
O problema da obesidade vai-se expandindo pelo mundo de uma maneira alarmante:

A quantidade de pessoas obesas na Europa e Ásia central triplicou-se nas últimas duas décadas segundo registos da Organização Mundial de Saúde. Se a tendência não varia, no ano 2010 uma em cada 10 crianças e um em cada 5 adultos, serão obesos.

De acordo com uma informação do Parlamento Europeu, calcula-se que uns catorze milhoes de crianças dos Estados Membros têm excesso de peso enquanto outros três milhões são obesos. Nalgumas regiões da Europa até 27% dos homens e 38% das mulheres, são obesos.

Nos Estados Unidos, o excesso de peso e obesidade em conjunto representam a segunda causa de morte que se pode prevenir. O chefe de Serviço de Saúde dos Estados Unidos (US Surgeon General) declarou que o excesso de peso e a obesidade já alcançaram proporções epidémicas nesse país. 15% das crianças entre os 6 e 19 anos de idade têm excesso de peso. Os funcionários da saúde pública afirmam que a falta de actividade física e uma dieta não equilibrada estão a alcançar os níveis do tabaco como ameaça significativa à saúde. Na actualidade, considera-se que aproximadamente 33% das mulheres e 28% dos homens têm excesso de peso grave. Nesse país, a obesidade nas crianças aumentou uns 40% nos últimos 20 anos segundo o estudo feito pelo "Centro Nacional de Estatísticas na Saúde" onde se determinou que 25% a 30% das crianças americanas apresentam obesidade. Segundo diferentes estatísticas entre a 33% a 42% da população adulta dos E.U.A. tem excesso de peso.

Na Argentina, segundo a Primeira Pesquisa Nacional de Nutrição e Saúde apresentada no 34º Congresso Argentino de Pediatria de Dezembro de 2007, 50% das mulheres entre 10 e 50 anos apresenta excesso de peso, enquanto 20% sofre de obesidade. Lamentavelmente, este país ocupa o 2º lugar a nível mundial, depois do Brasil, no consumo de anorexígenos, substâncias capazes de diminuir o apetite, com o fim de produzir diminuições de peso a quem os ingere. Os dados procedem da Informação Anual 2006 da Junta Internacional de Fiscalização de Estupefacientes, apresentado à Organização das Nações Unidas. 1,18% dos Argentinos (umas 440 mil pessoas) consome diariamente estas substâncias, enquanto no Brasil a percentagem alcança 1,25%.

Os comprimidos são, não duvidar, o pior dos recursos. Os anorexígenos são estimulantes que suprimem o apetite ou a sensação de fome. O seu consumo pode criar dependência e, como estimulam o sistema nervoso central, o seu uso indiscriminado pode produzir graves efeitos nocivos. Também dificultam seriamente a baixa de peso em dietas posteriores, quando já não os tomam.

EM PORTUGAL, a obesidade atinge 1 milhão de adultos e 3,5 milhões são pré-obesos. Estes são os principais resultados do relatório “Portugal: Alimentação Saudável em Números 2013”, revelado pelo director do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS). Existe quase um equilíbrio no que toca à distribuição do excesso de peso entre crianças do sexo masculino e feminino, embora com prevalência para os rapazes: 34% entre os 6 e os 9 anos apresentam excesso de peso, 18% estão num estado de pré-obesidade e mais de 15% são obesos. Os números relativos a raparigas ficam uns pontos percentuais abaixo: 30% têm excesso de peso, mais de 16% são pré-obesas e cerca de 13% atingiram a obesidade.

Copyrigth © 2014 - Todos os direitos reservados